29 de jul de 2016




Agosto é mês do CLÁSSICO DAS MULTIDÕES.

Um livro nascido no berço do Mestre Carlos Celso Cordeiro.

Um livro com saudade e história.

Muita saudade.

E muitas histórias...


5 comentários:

  1. Bruno Rodrigo G. Pereira30 de julho de 2016 04:08

    Parabéns Mestre Roberto Vieira! Estive uns tempos afastado desse espaço democrático de manifestação de paixão futebolística, por motivos profissionais, e senti saudade desse contato mais próximo com nossas raízes, nosso futebol imortal!

    Sinto-me felizardo em ter conhecido pessoalmente o Mestre dos Mestres, o inigualável Carlos Celso Cordeiro, pioneiro e precursor do resgate histórico dos grandes clubes brasileiros. Sua primeira obra sobre o tema (Náutico - Retrospecto de Todos os Jogos - 1909 a 1969), completa, neste 2016, 20 anos de publicação. Trata-se, portanto, de obra pioneira no ramo, anterior que é ao Almanaque do Flamengo (1999) e Almanaque do Timão (2000).

    Tive a felicidade de colaborar algumas vezes com o Mestre maior, CCC, com informações importantes, fruto de minhas pesquisas, sobre o futebol de nossa aldeia. Carlos Celso deixou uma lacuna profunda, insubstituível, na pesquisa histórica e resgate da memória do futebol pernambucano. Fui pessoalmente em sua residência (Edf. Gabriela) umas 4 ou 5 vezes, para adquirir seus livros e ser apresentado a seu BD, mesmo sendo rubro-negro confesso, o que nunca representou empecilho ao pesquisador maior, sempre bondoso, justo e desprendido de questões clubísticas, ao notar que existem pessoas boas e honradas que torcem, também, para os rivais nos campos, co-irmãos fora dele.

    CCC faz muita falta! Trata-se, indiscutivelmente, da maior referência em pesquisas históricas dos grandes clubes brasileiros. Pioneiro! Precursor! Os outros, igualmente importantes, vieram depois. CCC deixou um legado, transmitiu motivação a vários seguidores, inspirou muita gente a continuar com o importante trabalho de resgate da memória da maior paixão do nosso povo: o futebol.

    Mestre Roberto Vieira é hoje, indiscutivelmente, um dos maiores entusiastas da perpetuação e preservação da memória do futebol pernambucano, inspirado na herança que nos deixou o mestre maior, o saudoso Carlos Celso Cordeiro (1943-2016), que tão cedo nos deixou órfãos de sua convivência e sabedoria.

    Muito me alegra saber que o trabalho desenvolvido por CCC deixou tantos fiéis seguidores, entusiastas da preservação dos feitos do passado, como forma de engrandecimento e valorização das glórias que virão no porvir!

    Parabéns, mestre Roberto. Como torcedor rubro-negro e amante do futebol pernambucano, confesso que esperava, há muito, o lançamento dessa obra, verdadeira relíquia histórica do nosso futebol. Pretendo adquirir alguns exemplares, para minha coleção vasta coleção pessoal, e, se possível, presentear alguns entes queridos apaixonados pelo futebol de PE. Aguardo, ansiosamente, o lançamento dessa obra que engrandece a literatura esportiva e enriquece o acervo da memória do futebol pernambucano. Graças a Deus, a Roberto, a CCC e demais colaboradores, o centenário do clássico das multidões resistirá ao esquecimento e será eternizado em livro, como ocorreu com o Clássico dos Clássicos (Náutico x Sport) no ano do centenário deste, em 2009! Obrigado, Mestre Roberto!

    ResponderExcluir
  2. Bruno Rodrigo G. Pereira30 de julho de 2016 04:42

    Não serve de consolo, por sua precoce partida, mas Mestre Celso cumpriu, em vida, sua missão: deixou os filhos criados e prontos para enfrentar os percalços da "longa estrada" (Luciano e irmãs); amou perdidamente a mulher, esposa e companheira de lutas (dona Gertrudes) e cuidou, com amor paternal, do neto Gustavo (criança linda, que tive a oportunidade de conhecer e pegar em meus braços, no ano de 2009, quando fui adquirir o primeiro livro do Santa Cruz, na residência de Carlos Celso).

    Ademais, CCC cumpriu sua última, nobre e talvez maior missão: salvou do esquecimento mais de 1 século de História do Futebol Pernambucano. Seu exemplo JAMAIS será esquecido! O lançamento desta importante obra: "O Clássico das Multidões - 100 anos de História", é também um grande marco de homenagem à memória de quem tanto fez pela História do nosso futebol: o pesquisador maior, Carlos Celso Cordeiro!



    Muito me alegra saber que o trabalho desenvolvido por CCC deixou tantos fiéis seguidores, entusiastas da preservação dos feitos do passado, como forma de engrandecimento e valorização das glórias que virão no porvir!

    Parabéns, mestre Roberto. Como torcedor rubro-negro e amante do futebol pernambucano, confesso que esperava, há muito, o lançamento dessa obra, verdadeira relíquia histórica do nosso futebol. Pretendo adquirir alguns exemplares, para minha coleção vasta coleção pessoal, e, se possível, presentear alguns entes queridos apaixonados pelo futebol de PE. Aguardo, ansiosamente, o lançamento dessa obra que engrandece a literatura esportiva e enriquece o acervo da memória do futebol pernambucano. Graças a Deus, a Roberto, a CCC e demais colaboradores, o centenário do clássico das multidões resistirá ao esquecimento e será eternizado em livro, como ocorreu com o Clássico dos Clássicos (Náutico x Sport) no ano do centenário deste, em 2009! Obrigado, Mestre Roberto!

    ResponderExcluir
  3. Bruno Rodrigo G. Pereira30 de julho de 2016 04:49

    CCC é ídolo de todas as torcidas. O rubro-negro que vos escreve, leonino de berço, é testemunho dessa verdade histórica. CCC ficaria feliz em saber que Roberto Vieira e Carlos Henrique Meneses não deixaram a chama se apagar. De parabéns os 3 autores de tão importante obra!



    Muito me alegra saber que o trabalho desenvolvido por CCC deixou tantos fiéis seguidores, entusiastas da preservação dos feitos do passado, como forma de engrandecimento e valorização das glórias que virão no porvir!

    Parabéns, mestre Roberto. Como torcedor rubro-negro e amante do futebol pernambucano, confesso que esperava, há muito, o lançamento dessa obra, verdadeira relíquia histórica do nosso futebol. Pretendo adquirir alguns exemplares, para minha coleção vasta coleção pessoal, e, se possível, presentear alguns entes queridos apaixonados pelo futebol de PE. Aguardo, ansiosamente, o lançamento dessa obra que engrandece a literatura esportiva e enriquece o acervo da memória do futebol pernambucano. Graças a Deus, a Roberto, a CCC e demais colaboradores, o centenário do clássico das multidões resistirá ao esquecimento e será eternizado em livro, como ocorreu com o Clássico dos Clássicos (Náutico x Sport) no ano do centenário deste, em 2009! Obrigado, Mestre Roberto!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Mestre! Mas Mestre Celso gostaria que eu lembrasse de dois nomes que lhe serviram de bússola e inspiração : Givanildo Alves e Lucidio José de Oliveira.

    ResponderExcluir
  5. Bruno Rodrigo G. Pereira21 de agosto de 2016 01:03

    Bem oportunas lembranças, mestre. Não se pode esquecer a importante contribuição de Givanildo Alves, um pioneiro. Assim como é dever de consciência propagar a obra do inesquecível Carlos Celso. E o quê dizer, então, de um escritor do porte de um Lucídio José de Oliveira, com seu texto de qualidade inigualável? Todos esses (e outros mais) batem um bolão, em matéria de literatura esportiva.

    ResponderExcluir

Comentários