18 de fev de 2015



A BOLA É DE PEDRO

O Central voltava a Recife para sua segunda partida.

O adversário era o temível Santa Cruz.

Campeão estadual em 1931/32/33/35.

Um timaço com Zepequeno, Tará, Sidinho e Siduca.

Trajano perdia a titularidade para o lendário arqueiro Pedro.

Pedro que entrara no decorrer da estréia contra o Flamengo.

Muita gente esperava facilidade.

Mas o Central jogou pra tirar o sorriso das presas corais.

O resultado final de 4x3 não explica o que foi o jogo.

O árbitro José Mariano, futuro e campeoníssimo técnico Palmeira.

Palmeira anula um tento de Tutu.

Palmeira dá penalidade máxima de Zé Nane.

Dois lances capitais roubam pontos preciosos dos centralinos.

E o clube caruaruense dorme na lanterna do certame.

Com um único motivo de alegria.

Pedro já é o maior goleiro de nosso estado...



Um comentário:

  1. Desde de sempre o Central foi um adversário muito complicado para o Santinha, em 1937 o Santa tinha realmente um timaço como aponta o texto, nesse time estava Tará um dos maiores que vestiram a camisa do tricolor coral.

    ResponderExcluir

Comentários